DA ARTE DE SE FAZER UM COORDENADOR…

Karlos Rischbieter, Ministro da Fazenda (1979-1980)

Karlos Rischbieter, Ministro da Fazenda (1979-1980)

Ernane Galvêas, Ministro da Fazenda (1979-1985)

Ernane Galvêas, Ministro da Fazenda (1980-1985)

Mailson Nóbrega e Lauro Moreira em almoço oferecido ao Ministro GalvêasMailson Nóbrega e Lauro Moreira em jantar oferecido ao Ministro Galvêas (1980)

Meus Amigos e Amigas do Quincasblog,

Os parcos porém fiéis leitores deste Quincasblog – que hoje já se espalham por territórios de Oropa, França e Bahia, e com destaque para Portugal, onde tenho a alegria de contar com um bom número deles – já conhecem um pouco de minha vida e das atividades (profissionais ou não)  que andei exercendo nesse longo trajeto. Aliás, no alto da página deste blog os mais curiosos poderão clicar em Quem sou: um Perfil e entrar em um generoso e detalhado texto biográfico  escrito por um jornalista brasileiro, que vivia em Lisboa no tempo em que eu também tinha essa sorte e exercia as funções de Embaixador junto à CPLP, de 2006 a 2010.

Em 1974, removido de Genebra para Brasília, fui cedido temporariamente pelo Itamaraty ao Ministério da Indústria e Comércio, para ocupar o cargo de Chefe da Assessoria Internacional do então Ministro e saudoso amigo Severo Gomes, bem como da Assessoria  do Conselho Nacional do Comércio Exterior – CONCEX, cuja presidência a ele cabia. Fiquei afastado do Itamaraty por cinco anos, voluntariamente, a despeito da penalização que esse afastamento acarretava para minha progressão na Carreira Diplomática, obrigando-me a uma agregação imposta por lei. Após três anos, com a saída um tanto conturbada (por notórias divergências políticas) do Ministro Severo Gomes, fui convidado por seu sucessor, Ângelo Calmon de Sá, a permanecer no cargo. Ao final da Administração do Presidente Geisel, em 78, voltei ao Itamaraty para ser imediatamente promovido a Conselheiro. Fato curioso foi que, em decorrência de gestões do Ministro Calmon de Sá junto ao Presidente, e com a óbvia anuência do Ministro das Relações Exteriores Azeredo da Silveira, introduziram-se modificações na Lei da Agregação de diplomatas, estabelecendo que funcionários “a partir do nível de Conselheiro” poderiam ser cedidos a outros Ministérios, sem qualquer prejuízo para suas respectivas carreiras. Ou seja, posso alegar que contribuí para essa necessária mudança legal, mas que felizmente dela não usufruí em absoluto, pois naquele momento meu nível funcional não era ainda o de Conselheiro, mas o de Primeiro Secretário.

Na Administração do Presidente Figueiredo, inaugurada em março de 1979, voltei a deixar o Itamaraty para atender a convite do novo Ministro  da Fazenda, Karlos Rischbiter (1927-2013), para assumir a sub-chefia da Coordenadoria de Assuntos Internacionais, no momento chefiada pelo meu colega e querido amigo Embaixador Álvaro Alencar, grande figura humana e grande funcionário, prematuramente falecido em 2006. Aliás, em 2009 a Fundação Alexandre de Gusmão, do Itamaraty,  publicou uma obra em sua homenagem intitulada “Álvaro Alencar: um diplomata na luta contra o subdesenvolvimento”, em cujo prefácio o então Ministro Celso Amorim recorda que  “os depoimentos de seus amigos dão testemunho dos muitos predicados que ele fez por merecer: profissional sério, dedicado, honesto, competente, um dos grandes diplomatas de sua geração, um verdadeiro servidor da pátria, um amigo leal, caloroso e humano”. A despeito de tudo isso, no entanto, foi curta a permanência do meu amigo à frente da CAI, onde foi substituído por outro colega, o Embaixador Oscar Lorenzo Sotto Fernandez, continuando eu na sub-chefia. Mas os tempos estavam um tanto agitados na economia mundial e sobretudo brasileira (marcada pela segunda crise do petróleo, em 1978, a crise financeira de 79, a inflação fugindo ao controle, o perigoso desequilíbrio da balança comercial, os juros estratosféricos da crescente dívida externa, etc.), e em janeiro de 1980 cai o Ministro Rischbieter, substituído pelo então Presidente do Banco Central, Ernane Galvêas, que eu mal conhecia. E aí tem início uma semana de articulações por parte de vários amigos meus do Governo e do setor privado, que me queriam ver finalmente à frente da Coordenadoria de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda. E eu nada tinha a opor…

Foram dias para mim de muita efervecência e alvoroço, que culminaram felizmente com um happy end, e que me permitiram depois viver uma das experiências mais  enriquecedoras de minha vida profissional, além de um contato pessoal com um Chefe competente, respeitável e até hoje grande  amigo, o Ministro Ernane Galvêas. A efervecência daqueles poucos dias, pouco mais de uma semana, levou-me a registrar os acontecimentos vividos em uma espécie de diário,  sob o título de “Da arte de se fazer um Coordenador” Isso tudo aconteceu há 35 anos! Há dias encontrei em meus guardados uma cópia do original desse registro, já um tanto esmaecido pelo tempo, e que agora passo às mãos deste Quincasblog, na esperança de pelo menos divertir um pouco os meus generosos leitores.

“Se te agradar, fino leitor, pago-me da tarefa; se te não agradar, pago-te com um piparote, e adeus”.

Ao vencedor as batatas! E viva o nosso eterno Bruxo do Cosme Velho!

**************

Notas – Como nem todas os personagens mencionados no texto a seguir são do conhecimento dos leitores – afinal já se passaram mais de três décadas! –  achei interessante situá-los de modo sumário nestas Notas, por ordem de entrada em cena:

  1. Jacques Elluf – Empresário paulista, proprietário de uma trading company;
  2. Eimar Avillez – Ex-Chefe da Assessoria Internacional do Banco Central e grande amigo, que veio mais tarde a trabalhar comigo na gestão do Embaixador Sotto Fernandez;
  3. Ari Pinto – Ex- Chefe da CAI na gestão de Mário Henrique Simonsen no Ministério da Fazenda;
  4. Arthur Goldlust – Presidente da trading COMEXPORT, na qual tempos depois, e licenciado do setor público, vim a trabalhar por um curto período como Superintendente de Operações Externas;
  5. Luiz Américo Medeiros – Empresário, Presidente do Conselho Nacional da Indústria Têxtil;
  6. Fernão Bracher – Inicialmente Diretor e mais tarde Presidente do Banco Central; Sônia Bracher, sua esposa;
  7. Samy Kohn – Empresário, amigo do Ministro Galvêas
  8. Berardinelli – Chefe de Gabinete do Ministro Galvêas
  9. Paulo Tarso Flecha de Lima – Embiaxador, Chefe do Departamento de Promoção Comercial do Itamaraty;
  10. Carlos Langoni – Presidente do Banco Central;
  11. Adimar Shivelbein – Funcionário do Ministério da Fazenda, lotado na CAI;
  12. Francisco Dornelles Vargas – Á época, Secretário da Receita Federal;
  13. Beijoca – Jogador de futebol do Flamengo, que se notabilizou por estrear no Maracanã num jogo em que entrou em campo aos 43 minutos do segundo tempo e foi expulso aos 45;
  14. Roberto Abdenur – Embaixador, à época Assessor do Gabinete do Ministro Saraiva Guerreiro no Itamaraty;
  15. Flávio Perri – Idem;
  16. José Botafogo Gonçalves – Embaixador, Chefe da Assessoria Internacional na gestão do Ministro Delfim Netto no Ministério do Planejamento;
  17. Embaixador Sérgio Corrêa da Costa – À época, Representante do Brasil junto à ONU. De 1983 a 1986, meu Chefe na Embaixada em Washington:
  18. Eduardo Carvalho – Secretário-executivo do Ministério da Fazenda;
  19. Luiz Suplicy Haffers – Empresário da área agrícola;
  20. Benedicto Moreira – Diretor-Geral da CACEX, Carteira de Comércio Exterior do Banco do Brasil;
  21. Luiz Felipe Lampreia – Embaixador, à época, em Washington;
  22. Rui Nogueira – Embaixador, Assessor do Ministro Delfim Netto.

*****************************

PARA MELHOR LEITURA, CLICAR SOBRE CADA PÁGINA.

DA ARTE DE SE FAZER UM COORDENADOR 1 (dragged)DA ARTE DE SE FAZER UM COORDENADOR  2(dragged) (dragged) 1DA ARTE DE SE FAZER UM COORDENADOR (dragged)DA ARTE DE SE FAZER UM CORDENADOR 4(dragged)5678

Anúncios

9 Comentários

Arquivado em SÉRIE MEUS ENCONTROS, Uncategorized

9 Respostas para “DA ARTE DE SE FAZER UM COORDENADOR…

  1. Fernando Cupertino

    Onde estão as demais páginas, depois daquela de número 7?
    Estou curioso!!!
    Abraço…

  2. Enfim, uma vida riquíssima e diversificada, da qual deve sentir muito orgulho bem justificado. PARABÉNS;E MUITOS ANOS DE VIDA PARA DAR-LHE CONTINUIDADE
    Abraços do amigo
    Armando Ribeiro- http://www.aresemares.com

  3. Ana Maria Rocha

    \Delicia de leitura. Belo relato da boa, benéfica e saudável articulação política.

  4. Marilda Pinheiro de Abreu Aquino

    Caro Lauro, acompanhei esse momento em que o Brasil ganhou pessoa com o seu gabarito e competência na Coordenadoria de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda. De meu posto na Chefia de Gabinete no Ministério da Indústria e Comércio, na gestão do Ministro Camilo Penna, torcemos para a sua indicação ao lado do nosso comum amigo Rogério Sabóia que te sucedeu no MiC , tendo trabalhado conosco durante cinco anos. Aliás, os Ministros Camilo e Galvêas cultivaram uma amizade que dura até hoje.
    Um grande abraço,
    Deusdedith Aquino

    • Prezado Deusdedith, muito grato por seu generoso comentário. Fico contente por tê-lo como leitor deste nosso Quincasblog e vê-lo evocar hoje esses nossos bons tempos de MIC e MF, com as excelentes figuras de Camilo Penna e Ernane Galvêas, sem falar no nosso querido amigo comum, Rogério Sabóia.
      Um grande abraço,
      Lauro Moreira

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s